Fique atenta aos sinais, e veja se você está praticando musculação de maneira correta ou se está prejudicando a sua coluna

Por Rebecca Nogueira Cesar

academia

Ao malhar na academia é preciso ficar atento ao mau jeito 

da coluna

Foto: Caio Mello

Malhar já é um hábito que faz parte da vida de muitas pessoas. Mas você sabe quando está praticando os exercícios de maneira adequada e quando está em uma posição incorreta?

É preciso tomar cuidado enquanto está na academia, pois os deslizes cometidos nos exercícios de força podem levar a lesões nas costas. “Essas lesões podem evoluir para os denominados abaulamentos discais, que é uma consequência da degeneração dos discos intervertebrais da coluna”, explica o neurocirurgião Paulo Porto de Melo.

Por isso, é preciso ficar atento a qualquer dor nas costas! A princípio, a pessoa pode sentir dores leves na região lombar, que depois acabam irradiando para outras partes.

“Nos programas de treinos é comum que os praticantes realizam movimentos repetitivos com excesso de peso. Contudo, se a atividade for exercida erroneamente, pode causar um desgaste das cartilagens da coluna vertebral, levando a problemas como hérnias de disco e modificações nas curvaturas normais das costas”, explica Melo, que completa: “Todos os exercícios devem ser realizados com a coluna vertebral em alinhamento para evitar as lesões. É importante que o treino seja acompanhado por um professor ou preparador físico para que ele indique a melhor forma de praticá-lo”.

A prática incorreta da malhação pode causas desde lesões leves a problemas mais graves. Movimentos de flexão e torção de coluna, se não forem feitos da maneira certa, podem chegar a causar espondiloliteses, que é quando uma determinada vértebra acaba deslizando sobre a outra. Então, nunca ignore a as dores que podem aparecer na região lombar após a pratica das atividades físicas. Isso pode ser um sinal de que alguma coisa não está bem na sua coluna!

“Muitas vezes as lesões se agravam pela falta de diagnóstico precoce e devido tratamento. Se a dor permanecer por mais de três meses o ideal é buscar um especialista e evitar a automedicação, pois elas atuam apenas diminuindo a intensidade das dores e não trata o problema devidamente”, ressalta o neurocirurgião.