O educador físico Luis Eduardo Pereira, da rede de academias Biofisic, em Itajubá (MG), esclarece as principais dúvidas a respeito da questão

Texto: Estela Lopes | Foto: Shutterstock

Muitas mulheres que engravidam, principalmente as que frequentam a academia com frequência, se questionam se é permitido fazer musculação durante a gestação. O educador físico Luis Eduardo Pereira, da rede de academias Biofisic, em Itajubá (MG), esclarece as principais dúvidas a respeito da questão.

Leia Mais: 
Saiba quais são os 7 benefícios da corrida
Aprenda a fazer 3 makes criativas para a Copa do Mundo
Eletroestimulação: nova queridinha do mundo fitness

Vale lembrar que, independente do exercício físico, é necessário ter acompanhamento médico e de um professor da academia. 

1) É seguro treinar durante a gravidez? 

Sim. Estudos recentes a respeito apontam nessa direção, desde que a gravidez não seja de risco, pelo fato de os exercícios trazerem vários benefícios. Por exemplo: melhora da postura e da circulação sanguínea, aumento da disposição, controle do peso e diminuição da retenção líquida. Mas é preciso ter o aval do médico que assiste a grávida e um cuidado maior na escolha dos exercícios para não sobrecarregar as articulações, que ficam mais frágeis nesse período. “Durante a gestação, há uma frouxidão dos ligamentos, como parte de uma readaptação do organismo para acomodar o bebê que está sendo formado”, explica Pereira.

2) Gestante sedentária pode treinar?

Sim. Mas nas condições descritas acima e seguindo a mesma regra válida para todos os sedentários: é preciso começar a malhar moderadamente, respeitando uma evolução natural de esforço. Outro ponto que precisa ser levado em consideração por quem orienta o treinamento é que na gravidez o corpo passa por algumas alterações hormonais. Sem contar que o eixo do mesmo é alterado devido ao peso da barriga. Esses dois fatores deixam a mulher mais cansada. Ou seja, não dá pra exigir demais de uma grávida.

3) Quais exercícios devem ser evitados?

Qualquer um que produza grande impacto sobre as articulações, como saltos, ou aqueles que necessitam de um equilíbrio maior para serem realizados. Não são recomendados, ainda, exercícios em que a gestante fique deitada com a barriga para cima. Nessa posição, o fluxo sanguíneo é prejudicado. Também não se deve fazer uma série na sequência da outra, sem descanso, porque isso eleva bastante a frequência cardíaca. “Outro ponto importante é a necessidade de mudar o programa de treinamento a cada etapa da gestação, assim como o seu volume e intensidade”, acrescenta Pereira. 

4) Quais exercícios são mais recomendados?

Devem ser privilegiados os exercícios feitos em máquinas. Afinal, acomodam melhor o corpo, exigem pouca coordenação motora, e incentivam o gasto calórico, de modo que a gestante engorde apenas o necessário. Nos meses finais de gestação são bem-vindos, ainda, exercícios com inclinação pélvica. Eles ajudam a aliviar dores nas costas e fortalecem a musculatura abdominal que será exigida durante o parto.

5) O agachamento está liberado?

Sim. Mas nunca para gestantes sedentárias. Esse que é um dos exercícios mais praticados pelas mulheres na musculação, por trabalhar com eficiência pernas e glúteos, exige um certo grau de consciência corporal para que a execução traga apenas benefícios. E essa consciência é compartilhada apenas por mulheres acostumadas a fazer musculação. Além disso, a execução deve ser muito bem feita durante a gestação pelo fato de haver nesse período o deslocamento do centro de equilíbrio do corpo. “Agora, o agachamento durante a gravidez não deve ter como prioridade o aumento da massa muscular. Ele é útil no sentido de preparar a região pélvica para o aumento do peso que ela deve suportar durante a gravidez”, diz Pereira. A maneira correta de executar o agachamento durante a gravidez é com os pés e joelhos voltados para fora até o limite que a mulher se sentir mais confortável.

Quer saber mais sobre saúde e bem-estar? Assine nossa revista e a receba mensalmente.