Segundo a autora, a qualidade de vida prevaleceu em relação à estética

Texto: Redação | Foto: Divulgação 

Autora do Best Seller “Não se apega, não”, Isabela Freitas é também influenciadora digital com mais de 850 mil seguidores no Instagram. A visibilidade e o engajamento nas redes sociais eram direcionados para falar sobre relacionamentos e histórias divertidas do cotidiano.

Mas nas últimas semanas os stories também deram lugar a dicas de alimentação e boa forma. Isso porque Isabela iniciou uma dieta baseada em jejum e baixa ingestão de carboidrato.

Prestes a lançar seu quarto livro, a escritora fala à Corpo a Corpo como tem sido esse processo. 

Como funciona a dieta que você está fazendo?

Isabela: Primeiro de tudo gostaria de deixar claro que para fazer uma dieta você deve ir a um nutricionista que possa estudar o seu caso, ver suas necessidades, e te passar uma dieta baseada nisso. Eu fui a um nutricionista de minha confiança, e ele fez uma dieta que estou seguindo firme e forte. Ela se baseia em jejum de 12 horas + uma dieta low carb com consumo de proteínas e gorduras boas para nosso corpo. O que me prejudica muito é o fato de que não consigo comer verduras e legumes, já escutei até de pessoas próximas que eu nunca conseguiria emagrecer por isso. Mas sigo firme. Tenho meu propósito. Vou conseguir, mesmo que minha alimentação seja restrita e complicada. Do meu jeito, vou dar um jeito.

O que te motivou a entrar na dieta?

Isabela: O que me motivou foi o fato de estar me sentindo sempre cansada, sem disposição pra nada, muito sono, me sentindo cansada em fazer coisas simples do dia a dia. É aquela coisa, a gente se ama como é, magra, gorda, do jeito que for. Mas cuidar do nosso corpo é também um jeito de se amar. Eu não quero fazer dieta e exercícios por me odiar, como já fiz quando era mais nova e fazia tudo isso apenas pela pressão estética de que eu tinha que ser magra, de que eu tinha que ter um determinado corpo. Hoje eu quero fazer isso por me amar o bastante para querer viver muitos anos ao lado do meu filho com qualidade de vida!

Qual sua meta de perda de peso? Está aliando a exercícios físicos?

Isabela: Quando eu engravidei, estava uns 10 quilos acima do que deveria ter para me sentir bem. Eu já enfrentava esse problema, e na época já me sentia assim, cansada, sedentária, sem ânimo. Eu queria fazer meu corpo funcionar novamente, mas não tinha forças. Fiz ballet clássico a vida toda e sempre gostei muito de esportes. Mas quando entrei pra faculdade de Direito acabei tendo que largar pela falta de tempo, e quando fui morar sozinha, a minha alimentação piorou muito. Daí com a gravidez eu engordei 19 quilos. Eu me achei a grávida mais linda do mundo, mesmo que na balança os números só estivessem subindo. Nos três primeiros meses de pós-gravidez que amamentei, eu até que consegui perder uns quilinhos, mas depois com a correria do dia a dia com um bebê recém-nascido, trabalho demais, e falta de tempo, me descuidei e acabei engordando tudo novamente. Hoje tenho a meta de perder 30 kg. Desde que comecei a dieta e exercícios, já perdi 5 quilos, e sigo firme no meu propósito! Não quero parar nunca. Se exercitar é colocar nosso corpo pra funcionar. Nunca deveria ter parado. Sobre exercícios físicos, estou  fazendo 1h30 de esteira todos os dias. Isso tem me dado muito ânimo e força para seguir em frente! Sinto que meu corpo está aos poucos voltando a funcionar. 

Qual a maior dificuldade até o momento e se teve de abrir mão de algo que gosta muito?

Isabela: A maior dificuldade pra mim é a minha alimentação, com certeza. Vejo meu namorado, Lucas, que mesmo não gostando muito, consegue comer legumes e verduras, misturando tudo no prato e mandando pra dentro. Queria ser assim. Queria mesmo! Mas infelizmente eu não consigo, faço vômito, perco o apetite. Simplesmente não desce! Desde pequena eu digo que é mais fácil dizer O QUE EU COMO, do que eu NÃO COMO, porque eu não gosto de quase nada. E por não gostar de quase nada minha dieta acaba ficando sem opções, tanto é que muitas vezes acabo comendo somente carne no almoço ou na janta (onde deveria ter legumes verduras e feijão acompanhando). É difícil, sinto que falhei nisso, em não conseguir comer de tudo como a maioria das pessoas faz. Mas não vou desistir por isso. Vou insistir dentro das minhas limitações, e ter sucesso nos meus objetivos. Ah, e claro, não poderia deixar de citar quando bate aquela vontade de comer algo que não faria tão bem assim pro seu organismo. Seguindo recomendações do meu nutri, a fim de evitar compulsões no futuro, se tenho vontade de comer um brigadeiro: vou lá e como. Mas na próxima refeição volto pra dieta. Assim a gente consegue equilibrar uma alimentação balanceada, com nossas “pequenas vontades” sem fugir do propósito.