Depois de anos, a espera teve um fim! Vanessa Giácomo aceitou o convite para posar exclusivamente para a Corpo a Corpo — ela nunca havia feito fotos de maiô ou de biquíni. Nesta entrevista exclusiva, a atriz revelou como mantém este rosto angelical e a silhueta impecável depois de duas gestações

 

Reportagem: Fabiana Gonçalves

Vanessa Giácomo

"Eu sou vaidosa, mas acho que depois da maternidade o

foco muda. Hoje eu me preocupo em combater a celulite,

a flacidez e em prevenir as rugas", Vanessa Giácomo.

Foto: Priscila Prade

Difícil é olhar para Vanessa Giácomo e não se lembrar da forte personalidade de Zuca, no remake de Cabocla, em 2004, quando ela estreou na TV. Aquele foi o seu primeiro e inesquecível papel. Mas ao longo desses oito anos, Vanessa Giácomo só somou personagens marcantes. Fizemos as contas e descobrimos que ela não passa mais de um ano e meio fora da televisão. Seu segundo papel veio logo depois, em Sinhá Moça, de 2006, quando fez a abolicionista Juliana. No mesmo ano, estreou no cinema, no longa Canta Maria. Em 2007, lá estava ela de volta à TV, na minissérie Amazônia — De Galvez a Chico Mendes, interpretando ninguém menos que Ilzamar, mulher de Chico Mendes. Ainda em 2007 participou da novela Duas Caras. Em 2009 ela esteve em duas tramas: Paraíso e Caras & Bocas.

E no cinema nacional também voltou a fazer parte da sua rotina de trabalho em dois filmes: Jean Charles e Menino da Porteira. Em 2010, Vanessa Giácomo participou de Escrito nas Estrelas e, no ano seguinte, de Morde & Assopra, vivendo a espevitada e vaidosa Celeste. “Acho que essa foi a personagem mais difícil de fazer, pois é claro que toda mulher é vaidosa, quer estar bonita, mas a Celeste passava essa imagem o tempo todo”, lembra. “Penso que até me inspirei um pouco nela para a vida, pois faço o estilo clássico. Já ela, não. Quanto mais, melhor, na maquiagem, no cabelo e nas roupas extravagantes”, lembra.