Responda algumas perguntas e entenda se você desconta as suas emoções na comida

Texto Helô Oliveira | Adaptação Rebecca Nogueira Cesar

Dieta

Responder algumas perguntas ajuda a entender se você

desconta as emoções na comida

Foto: Danilo Borges

Gula emocional: Em momentos de estresse, você costuma comer mais? Quando você está bem e tranquila, nota que come menos do que quando está ansiosa? Depois de um dia de trabalho esgotante, fica com vontade de comer algo “engordativo”? Quando você está triste, gosta de compensar com um docinho?

Se você respondeu “sim” a pelo menos duas perguntas acima, você usa a comida para lidar com as emoções.

“É um processo mais bioquímico do que psíquico, porque a ansiedade gerada pela emoção tende a diminuir logo após o consumo de alimentos calóricos”, explica Fábio Roesler, psicólogo e neuropsicólogo (SP).

Para distinguir o assalto à geladeira comum de um quadro de apetite emocional, faça um comparativo quinzenal. “Se em 15 dias os ataques de gula aumentarem sensivelmente conforme a tensão, está comprovado que você desconta as emoções na comida”, atesta Fábio Roesler. Antes de procurar ajuda especializada, tente a técnica de respiração proposta pelo especialista: “solte todo o ar dos pulmões lentamente, até o fim. Na sequência, inspire rapidamente até a capacidade máxima e segure a respiração por 8 segundos. Solte lentamente por 18 a 20 segundos. Repita o processo de 6 a 8 vezes. Isso controlará a ansiedade e a vontade de comer.”

Revista Corpo a Corpo | Ed. 313