Conheça os perigos de treinar em jejum, e confira algumas dicas de alimentação pré-treino

Texto Cáren Nakashima | Adaptação Rebecca Nogueira Cesar

treinar em jejum

Treinar em jejum prejudica o resultado

Foto: Caio Mello

Definitivamente, treinar em jejum não é o melhor caminho para queimar gordura. Segundo Francisco Tostes, endocrinologista da Clínica Helena Costa (RJ) e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), o conceito de fazer exercícios em jejum veio para adaptar o corpo a utilizar a gordura como principal fonte de energia.

Porém, isso só vale para exercícios que requerem esforços leves, mas acabou se tornando popular entre corredores e quem faz musculação. Segundo Carla Cotta, nutricionista funcional da Clínica Essendi (RJ), treinar nessas condições causa o efeito inverso, em que a gordura não é queimada e, sim, a massa muscular.

Mas isso não é o pior! “O praticante pode ter sintomas desagradáveis como mal-estar, fraqueza, desmaios e até mesmo quadros de acidose e angina”, explica Francisco Tostes. Para quem quer treinar pela manhã, sem se sentir pesada, Carla Cotta dá a dica certa: “Invista nos alimentos com carboidratos de rápida absorção, como pães sem laticínios, batata-doce, frutas e sucos de frutas, que são digeridos rapidamente e dão a energia necessária para o treino”. Evite queijo em grande quantidade, leite, iogurte e gorduras, pois demoram mais de duas horas para serem digeridos.

Revista Corpo a Corpo | Ed. 317