Especialista em obesidade Gladia Bernardi, autora do best-seller “O Código Secreto do Emagrecimento” explica como aproveitar as ceias de Natal e Ano Novo sem comer de forma exagerada, evitando colocar a saúde e a boa forma em risco


O final do ano está chegando, e com ele, as tradicionais festas de confraternização, encontros com amigos, ceias em família, e muita comida. Todos esses ambientes já são propícios para comer em exagero, mas a maioria das pessoas ainda conta com o desgaste físico e psicológico acumulado no ano, principalmente por conta do trabalho, como “incentivo” para os excessos. A vontade de “relaxar” é uma das justificativas para o exagero na hora de comer.

A boa notícia é que há alternativas para desfrutar dessa época do ano sem grandes prejuízos para a saúde e o peso, e o segredo está em trabalhar a mente. Gladia Bernardi, especialista em obesidade e autora do best-seller “O  Código Secreto do Emagrecimento”, explica que é normal as pessoas desejarem uma “recompensa” pelo ano exaustivo e acabarem deixando o emocional tomar conta. Por isso, acabam comendo mais do que de fato gostariam e ficam com sentimento de culpa. 

Segundo pesquisa do The New England Journal of Medicine, as pessoas tendem a engordar 2 kg durante as festas de fim de ano, mas não perdem esse excesso integralmente depois. O estudo, realizado com quase 3.000 pessoas nos Estados Unidos, Alemanha e Japão, mostrou que os participantes emagreceram apenas 1,5 kg - acumulando em média 0,5 kg a cada ano. 

Fome emocional x Fome racional

Como trabalhar a mente para evitar esse tipo de compulsão? No best-seller, Gladia explica os dois sistemas que controlam nosso cérebro: o “bottom up” (emocional) e o “top down” (racional). Como a principal forma de manter-se saudável é uma reconstrução de padrões de pensamento para a criação de hábitos, é fundamental o equilíbrio entre esses dois sistemas.

“Os momentos de exagero na comida ocorrem geralmente quando o sistema “bottom up” – emocional – toma conta do cérebro e de suas ações, o que não pode acontecer. É preciso que o sistema emocional permita receber conselhos do racional para que ambos possam agir em harmonia”, explica a especialista.

O uso excessivo na rotina diária do sistema “top down” – racional – faz com que, em momentos de festividades, grande parte das pessoas queiram deixá-lo de lado, o que é importante e saudável, mas não pode ser feito de maneira integral. É preciso que os sistemas realizem ações comportamentais juntos, não individuais.

“Nossa vida não teria graça nenhuma se vivêssemos apenas sob o comando da razão, é importante que o emocional esteja presente nos momentos de descontração. Mas é preciso entender que o segredo para não cair em compulsão é acionar o ‘top down’ antes de comer, impedindo assim os exageros e o sentimento de culpa”, comenta Gladia.

Como acionar o racional durante as festas?

“Trabalhei como um(a) doido(a) o ano inteiro, mereço comer o máximo que eu aguentar”. Epa, calma! Realmente, você merece momentos de prazer e diversão após tanto trabalho e uma rotina exaustiva o ano inteiro, mas isso não é motivo para comer em exagero. “Esse pensamento é uma forma de sabotar a mente, e apenas contribui para a compulsão. Comida não pode ser o centro da felicidade”, alerta Gladia. 

Segundo a especialista, essa frase significa que o sistema “bottom up” (emocional) tomou conta da mente. “Lembre-se: é preciso permitir que o “top-down” (racional) entre em ação e os dois atuem em conjunto. Aproveite aquele doce saboroso, mas não precisa acabar com a travessa”, ensina ela. 

“Ah, já comi um, mesmo, mais quatro ou cinco ou tantos outros não vão fazer diferença”. Esse também é outro pensamento muito comum para justificar uma compulsão. Não é porque você comeu um alimento gorduroso que vai “abrir a porteira” para comer sem limites. “Saiba aproveitar uma comida gostosa sem excessos, e não sentirá culpa nem terá prejuízos significativos depois. É comum esse tipo de pensamento durante as ceias de final de ano, o que leva a mais momentos de compulsão e faz com que a pessoa postergue a reprogramação do cérebro para a criação de hábitos”. 

“Estou satisfeito(a), mas vai demorar para eu comer isso de novo, então vou pegar mais”. Essa é clássica no fim do ano. Realmente, não é sempre que nos deparamos com pratos elaborados e tantos tipos de doces como nessa época. Por isso, é importante aproveitar os alimentos, mas, novamente, esse tipo de pensamento não pode ser uma forma de justificar uma compulsão. “Se você já está satisfeito, para que ficar sofrendo pelo “futuro” em que não vai ter o alimento? Importante lembrar que as ações que constroem hábitos no cérebro são feitas diariamente e em pequenos momentos. Evitar esse tipo de ação também vai contribuir para a reprogramação da sua mente para manter uma rotina mais saudável no futuro e sem sofrimentos”, recomenda Gladia. 

“Vou começar a dieta a sério no ano que vem, então agora vou extravasar”. “Em meu livro, apresento uma técnica para não sofrer com dietas restritas e ter uma vida prazerosa. Para isso, é importante a construção de hábitos no cérebro para que ele seja programado a viver bem com uma rotina saudável. Como isso é feito? Diariamente, em pequenos momentos. Uma possível dieta restrita no futuro não pode justificar um momento de compulsão. É preciso equilíbrio em ambos os momentos”, diz. 

Não há nenhum mal em aproveitar as festas para comer aqueles doces diferentes e experimentar refeições saborosas, desde que sem excessos. “O importante é exercitar a mente para que não se deixar levar pelas emoções de momento, nem pela ideia de “recompensa”. O equilíbrio é a chave para se divertir nas festas, experimentando alimentos diferentes sem ficar com a consciência pesada”, finaliza.