Benefícios de cada tipo de chocolate e ovos de Páscoa saudáveis Nutrição

Confira os benefícios de cada tipo de chocolate e dicas de ovos de Páscoa saudáveis

Por Rebecca Nogueira Cesar | Fotos: divulgação

Chocolate

Chocolates fit são opções saudáveis para a Páscoa

Foto: Danilo Borges

O chocolate pode até ser visto como um grande vilão das dietas, mas ele oferece muitos benefícios para o corpo. 

“O chocolate ajuda na liberação de serotonina, hormônio que dá a sensação de bem estar”, explica Leandro Teles, neurologista membro da Sociedade Brasileira de Neurologia. E os benefícios não param por ai! Segundo estudos de Ligia Lopes, coordenadora do curso de Nutrição da Universidade Cruzeiro do Sul, o cacau é rico em inúmeros minerais essenciais para a saúde, como magnésio, cobre, potássio, manganês e vitaminas. O doce também possui substâncias antioxidantes e diminui o risco de doenças cardiovasculares, de câncer, de estresse e depressão.

“A boa notícia é que o chocolate pode ser consumido diariamente, um pedaço pequeno por dia já é benéfico à saúde”, contou Leandro. A recomendação é que se consuma apenas 30 g diárias. Uma dica é consumir chocolate 70% cacau a tarde, quando os níveis de estresse estão mais elevados.

Devorar uma caixa de bombons pode ter o efeito contrário! Além de fazer mal para a sua saúde, ainda aumenta o peso e o estresse. Hoje já se encontram no mercado opções de chocolates sem açúcar, sem glúten, sem cacau, sem lactose, ricos em fibras, com colágeno, entre outros. Para escolher o seu, a nutrionista Paula Castilho recomenda optar pelas versões com maior teor de cacau e menos açúcar. As opções com menor quantidade de gordura saturada e trans também devem ser priorizadas.

“A alfarroba pode ser uma ótima alternativa ao chocolate. Os produtos feitos com ela são nutritivos, com sabor de chocolate, mas isentos de lactose, glúten e açúcar, podendo ser consumidos por quem tem alergia ao leite”, explica a especialista.

“Existem opções de 'chocolate fit', que apresentam algumas vantagens quando comparadas ao chocolate tradicional. Ele é formulado sem lactose, além de não sofrer adição de sacarose (açúcar de mesa). Sendo assim, possui menos calorias que os chocolates tradicionais, causando menor ganho de peso. Os benefícios atribuídos ao chocolate devem-se principalmente à presença do cacau em sua composição”, revela a nutricionista Camila Falcão.

Benefícios de cada tipo de chocolate:

Chocolate ao leite – Possui menos gordura hidrogenada na composição, porém é mais doce que os outros. Inclui cacau sólido, manteiga de cacau, mais de 12% de leite e açúcar. Não deve ser consumido em grandes quantidades, pois é mais calórico e pode causar um aumento do peso.

Chocolate branco – Produzido a partir de manteiga de cacau, apresenta poucos benefícios à saúde. Seus componentes principais são: leite, manteiga de cacau e açúcar. Se gostar desse tipo de chocolate, procure as versões sem açúcar, sem lactose e sem glúten. A versão clássica é muito calórica e rica em gorduras.

Chocolate amargo – Para não sabotar a dieta, o chocolate mais indicado para o consumo é o amargo. Os que possuem 70% de cacau são os mais saudáveis, além de serem bem menos calóricos e ricos em flavonoides, que melhoram a circulação. “Fabricado com grãos torrados de cacau, ele contêm pouco açúcar e não tem acréscimo de leite na composição”, explica Renata. Há também a versão com 90% cacau, que contém pouco ou nenhum açúcar. Beneficia o coração, equilibra o colesterol e diminui o estresse. Possui antioxidantes e previne o envelhecimento precoce. “Já as opções com percentual menor de cacau, em geral, contêm grandes quantidades de açúcar e gordura, o que diminui sua qualidade e traz inclusive efeitos contrários aos do cacau. Portanto, consuma todas as modalidades com moderação”, finaliza a especialista. 

Chocolate meio amargo – “Sua composição é bem diversificada, conforme a marca do chocolate, mas é comum conter bastante açúcar, a exemplo do chocolate ao leite, e gordura. No entanto, é uma opção muito boa para aqueles que não apreciam o sabor forte do extra-amargo e do amargo”, indica a nutricionista.

Chocolate diet – Não possuem açúcares na composição, mas podem conter maior teor de gorduras. Dependendo da marca, pode ser mais calórico do que a versão ao leite. “Outro fator a ser considerado, se você não é diabético, é que cada vez que sua boca sente o sabor doce, o corpo inteiro se prepara para receber o açúcar, só que neste caso o açúcar não vai chegar, então a vontade de comer o chocolate pode só aumentar. É isto o que acontece com os chocolates que contêm adoçantes. Porém, se ele não tiver adoçante e nem mesmo açúcar, e ainda for amargo, pode ser considerado”, alerta a nutricionista.

Chocolate light – Contém menor quantidade de algum nutriente. No entanto, é preciso ficar atento ao rótulo e comparar com outras versões.

Chocolate sem glúten – O chocolate puro não contém glúten naturalmente. Porém, alguns chocolates podem receber o composto ao longo do processo de fabricação. Ideal para quem tem uma alimentação livre dessa substância, essa versão do chocolate apresenta garantias de sua ausência.

Chocolate sem lactose – Feitos para pessoas alérgicas ou intolerantes, essa versão, em geral, tem o leite substituído por soja ou algum componente isento de lactose.

Chocolate de soja – Fabricados com leite de soja, normalmente não possuem lactose. Porém, é preciso ter cuidado, já que algumas pessoas podem apresentar alergia à soja.

Chocolate protéico – A versão com Whey Protein sacia o apetite, em comparação aos tradicionais, e incrementa o aporte protéico do dia. Ajuda a tonificar a musculatura. “Mas, cuidado! Muitas vezes eles têm uma quantidade grande de gorduras, o que acaba anulando seus efeitos positivos. Por isto, fique atento sempre ao rótulo dos chocolates”, explica Renata.

Alfaborra – “Não é chocolate, apesar de seu gosto e aparência serem iguais! É utilizado como substituto do cacau. Os produtos feitos com alfarroba normalmente não possuem glúten, lactose e cafeína, e são ricos em vitaminas e minerais”, afirma a especialista.

*Especialistas consultados: Paula Castilho, nutricionista; Leandro Teles, neurologista menbro da Sociedade Brasileira de Neurologia; Ligia Lopes, coordenadora do curso de Nutrição da Universidade Cruzeiro do Sul; Elaine Moreira, nutricionista consultora Linea Sucralose; Camila Falcão, nutricionista da MS confeitaria Fit. 





.
Leia Tamb�m
Comente!


Os coment�rios s�o pessoais e n�o refletem a opini�o da Corpo a Corpo.