A lectina pode ser o motivo de tanta briga com a balança. Então elimine essa substância tóxica do cardápio e detone 3 quilos em apenas 15 dias

Texto Caroline Randmer | Foto: Shutterstock | Adaptação web: Estela Lopes

Você com certeza já ouviu falar que o glúten, a lactose, os conservantes e outros elementos podem fazer mal à saúde. Mas e a lectina? Ela é uma substância química encontrada geralmente em grãos, plantas e alguns vegetais que atua na defesa contra predadores e parasitas — o problema é que sua ingestão é tóxica não apenas para insetos e animais, mas ao nosso organismo também.

Leia Mais:
Blogueira aposta em dieta low carb e perde 30 quilos
Mini tapioca fit de goiabada com 48% menos açúcar
Hípica Paulista Training: experiência única para os adeptos do mundo fitness

“Isso porque ela é muito resistente às enzimas digestivas, o que acaba causando lesões nas paredes do estômago e do intestino, interferindo na absorção de nutrientes, alterando a microbiota intestinal e comprometendo o sistema imunológico”, explica Renata Roja Paixão, nutricionista da Estima Nutrição, de São Paulo (SP).

Para evitar as complicações que o consumo em excesso dessa malfeitora pode causar, basta adaptar o cardápio e controlar a ingestão de itens ricos na substância. “O segredo está em adicionar mais frutas, brócolis, couve, couve-flor, aspargos, nabo, agrião, rúcula, rabanete, oleaginosas, peixes, frango e ovos ao cardápio para compensar os nutrientes provenientes dos alimentos ricos em lectina”, ensina a especialista.E caso você não queira abrir mão de vez de arroz, trigo, feijão e companhia, saiba que é possível eliminar grande parte das toxinas com algumas técnicas de cocção específicas. Confira abaixo! 

Consuma com moderação:

Para reduzir as lectinas de trigo,quinoa, arroz, cevada, milho, feijão,soja, amendoim, batata, tomate, berinjela e pimentão, coloque emprática as seguintes dicas:

1. Deixe as leguminosas submersas em água por 12 horas e faça o descarte do líquido antes de iniciar o preparo do prato.
2. Tente deixar os grãos de molho por cerca de dois a três dias para que ocorra a fermentação, o que diminui significativamente os níveis de lectina.
3. Descasque os vegetais antes deusá-los em receitas, pois é na casca que a substância se concentra.

Inchaço nunca mais!
Sabe aquela sensação de estufamento que aparece sem aviso e faz você revirar o guarda roupa por horas até encontrar uma roupa que lhe caia bem? Saiba que isso pode ser culpadas lectinas, que interferem na ação das enzimas presentes no trato gastro intestinal, dificultando a digestão dos alimentos. “Aí aparecem o desconforto, os gases e as dores abdominais”, diz Renata Paixão. Mas não se preocupe: é só dar uma maneirada nos alimentos que esbanjam a substância para o incômodo desaparecer.

De bem com a balança: 
Tirar a lectina do cardápio significa restringir — e muito — o consumo de carboidrato, já que a substância pode ser encontrada nas principais fontes do macro nutriente. “Com isso,a quantidade de calorias ingeridas cai drasticamente, favorecendo a perda de peso rápida, já que o organismo se vê obrigado a usar seus estoques gordurosos como fonte de energia”, conta Renata Paixão.

Daí é tiro e queda: em apenas duas semanas já dá para sentir a calça ficando mais larguinha. Então, que tal colocar em prática este menu, elaborado por Natalia Alcalá, nutricionista da Clínica Fernandes, de São Paulo (SP), eliminar as toxinas do dia a dia, aumentar a ingestão de vitaminas,minerais, fibras, antioxidantes e fitoquímicos e ainda fazer as pazes como espelho? Mas lembre-se: por ser uma dieta restritiva, deve ser seguida por, no máximo, três meses. “Gestantes e atletas devem conversar com um especialista antes de adotar o cardápio”, alerta Renata Paixão.  

Quer saber mais sobre como cuidar do seu corpo? Assine nossa revista e a receba mensalmente.