As manchas de pele aparecem em mulheres que se expõem bastante ao sol. Saiba os cuidados que você deve ter para evitá-las e quais os peelings indicados para amenizar os melasmas


Reportagem: Camila Saipp

manchas de sol

Os melasmas podem ser tratados de diversas formas, mas
a prevenção ainda é o melhor remédio
Foto: Danilo Borges 

Chega o verão e com ele,  as manchas de pele causadas pelo sol.

O melasma, nome dado a essas manchas mais escuras, pode aparecer tanto no rosto, quanto no pescoço, no colo ou nos braços. “Chamamos melasma as manchas acastanhadas que aparecem, principalmente, nas mulheres em idade fértil e que têm maior exposição ao sol. Embora a razão do seu aparecimento não seja completamente elucidada, parecem estar relacionadas à associação de alterações nos hormônios femininos e a irradiação solar”, afirma Luciana Conrado, membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Apesar de todas as mulheres estarem sujeitas às manchas de sol, alguns fatores aumentam as chances de incidência, por isso, esse grupo de risco deve redobrar a atenção ao se expor ao sol. “Os melasmas são mais frequentes em mulheres que usam contraceptivos hormonais, durante a gestação ou lactação ou ainda em indivíduos com alterações na glândula tireoide”, explica a especialista.

A boa notícia é que depois de adquiridas, essas manchas podem ser clareadas, embora em poucos casos o tratamento seja definitivo. “Utilizam-se cremes clareadores e “peelings” químicos suaves, associados a fotoproteção constante. A utilização de fontes de luz (lasers e luz intensa pulsada) ainda é controversa e deve ter uma indicação precisa, pois em alguns casos além de não melhorar podem piorar as manchas. É necessário durante a manutenção do tratamento o uso contínuo de filtros solares, pois as manchas podem reaparecer ao mínimo contato com o sol (reflexão do sol na neve ou na areia) ou calor (como, por exemplo, o mormaço na praia)”, indica a Dra. Luciana.