"O preço de dar conta de tudo sozinha é muito caro", afirma a coach. Confira as dicas!

Texto: Redação | Foto: Divulgação 



O que se exige da mulher é que ela seja mais! Por isso, o mito da “supermulher” acaba gerando demasiadas expectativas e cobranças naquelas que assumem múltiplos papéis. Nessas situações, é importante ter plena consciência de que não é preciso colocar a saúde física e mental em risco e tentar ir além dos próprios limites. 

Para Eloiá Hosana, uma apaixonada pelo conhecimento e especialista em desenvolvimento para mulheres, “o preço de dar conta de tudo sozinha é muito caro. Não podemos, por exemplo, ficar doentes em prol de uma perfeição inatingível”. 

Mais do que isso: é possível viver de forma mais leve – sendo mulher, filha, amiga, parceira, mãe e profissional –, já que a possibilidade de cumprir as obrigações sem deixar de lado o lazer e o bem-estar é real. “Afinal, ninguém vai se tornar uma dona de casa ou uma mãe pior se tirar um dia para descansar e deixar o marido fazer o almoço e cuidar das crianças”, diz a renomada master coach. 

Vale destacar que esse é um perfil que vem se tornando cada vez mais frequente e é considerado um padrão entre as mulheres do século 21, mas com algumas dicas dá para elencar prioridades e tornar o processo mais leve. O importante é encontrar coragem para sair da zona de conforto, admitir a necessidade de mudança e definir o que é trivial, o que é prioridade, quais tarefas podem ser divididas e quais podem ser delegadas. É o que garante Eloiá, que aborda os pilares: trabalho, família, relacionamentos, saúde e, principalmente, o autoconhecimento.