Adepta do implante capilar protético Hairstetics, feito na própria clínica, a médica explica sobre esta moderna opção de tratamento para resgatar a aparência capilar e autoestima das pacientes.

Texto: Redação | Foto: Divulgação 



O que acha de falar sobre “calvície feminina”?
 O tema ainda não é tão debatido quanto a alopecia masculina
. De acordo com a cirurgiã plástica Juliana Sales, do Rio de Janeiro, ambas possuem caráter genético e hormonal, mas na mulher inicia-se com alargamento da linha central dos fios e exposição do couro cabeludo. Nos homens, costuma surgir perto da testa (entradas) e, em seguida, no topo da cabeça.

 “A alopecia androgenética feminina caracteriza-se por afinamento, encurtamento e opacidade dos fios, chamada miniaturização, que ocorre devido a um ciclo de vida dos cabelos alterado, em que a fase de crescimento torna-se cada vez mais curta”, explica Juliana Sales, que alerta para um diagnóstico precoce da doença.

No entanto, muito antes de se iniciar o tratamento, deve ser estudado caso a caso. “O diagnóstico inclui histórico da paciente, história familiar, exame físico, exame de sangue, tricoscopia e, algumas vezes, pode ser necessária a biópsia. Uma vez diagnosticada, deve ser tratada para que não evolua. O tratamento pode incluir xampus específicos, soluções tópica, medicação oral, injeções locais, lasers e microagulhamento. Vale frisar que o tratamento deve ser para sempre, pois trata-se de uma condição crônica e, portanto, apresenta caráter progressivo.”, afirma.

Porém, em casos extremos, apesar do tratamento clínico, alguns casos atingem um nível de perda capilar que impacta na aparência e autoestima das mullheres, levando a transtornos psicológicos e possíveis mudanças na vida pessoal e profissional. Nestes casos, de acordo com a especialista, a restauração capilar é necessária e apenas 10 a 15% das mulheres podem se submeter ao transplante convencional, que é cirúrgico.

 

Adepta do implante capilar protético Hairstetics, feito na própria clínica, a médica explica sobre esta moderna opção de tratamento para resgatar a aparência capilar e autoestima das pacientes. “A Hairstetics é uma tecnologia israelense, que apresenta fios feitos de nylon cirúrgico, que são fixados ao couro cabeludo por uma microâncora auto expansível, de nitinol, liga metálica usada em stents cardíacos. É feito no consultório, sob anestesia local, que permite a implantação de até 1.500 fios por sessão. A aparência dos fios é extremamente natural”, entrega a especialista.

  • Para quem é indicado: o procedimento de implantação capilar protético (Hairstetics) é indicado para mulheres com alopecia androgenética de leve à severa, que apesar do tratamento clínico, não conseguiram resgatar uma aparência capilar desejável e sofrem consequências na sua autoestima.

 

  • Como é feito: No próprio consultório e apresenta algumas etapas importantes. A primeira etapa é a consulta médica, em que, além de conhecer a história detalhada da paciente, é realizada avaliação clínica e o diagnóstico é confirmado, podendo ser solicitados exames e, em alguns raros casos, biópsias. Na segunda, é a pré implantação. São implantados 48 fios para avaliar a resposta do organismo e aceitação do procedimento.

Após reavaliações de 15 a 30 dias, seguindo uma rotina prescrita e cuidados locais e no caso de nenhuma reação adversa, a implantação prossegue até ser finalizada. O número de fios implantados vai depender de cada caso e até 1500 fios podem ser colocados por sessão. As implantações também podem ser feitas em mais de uma sessão até que o resultado desejado seja atingido.

 

  • Pós procedimento: Ao finalizar o procedimento, é feito o corte dos fios no comprimento adequado e a paciente deve seguir um protocolo de cuidados em casa, que inclui antibióticos e cremes locais.