Eles podem ser facilmente encontrados em farmácias e mercados, por exemplo. O problema, contudo, é que muitas pessoas buscam os polivitamínicos sem orientação profissional. Entenda a importância da prescrição médica nestes casos!

*Por Eduardo Magalhães 

Qualquer um pode tomar polivitamínicos, mesmo sem prescrição?

Não se deve tomar qualquer medicação, mesmo sendo vitaminas e minerais, sem uma devida orientação profissional, pois tanto a deficiência quanto o excesso de algum nutriente pode acarretar distúrbios no organismo. Então é necessário saber exatamente qual nutriente precisa ser suprido e em qual concentração.

Às vezes, pode haver uma alteração no hemograma, com hemoglobina e eritrócitos baixos, que não tem relação com deficiência de ferro, e, sim, de zinco e vitaminas do complexo B, e isso um leigo não sabe identificar.

O problema de consumir um desses multivitamínicos prontos é que além de não serem personalizados, não possuem concentrações adequadas de micronutrientes, e estes são ligados a sais de difícil absorção, sendo boa parte deles eliminada na urina, e que ainda podem gerar desequilíbrios metabólicos, como no caso dos carbonatos, que estão associados a problemas cardíacos.

*Eduardo Magalhães é nutrólogo e especialista em Medicina Preventiva e Integrativa. Todo mês, ele responde perguntas das leitoras em sua coluna.

Mande suas dúvidas para perguntedrsaude@escala.com.br!

Para saber mais sobre saúde, corra para as bancas ou garanta sua Revista Corpo a Corpo através do site da Editora Escala