Um bom salão de beleza deve se preocupar com a saúde de seus clientes e funcionários. Conheça alguns cuidados que os estabelecimentos não podem deixar de ter e fique atenta!

Reportagem: Monique Zagari Garcia

cuidados-saloes-de-beleza

É fundamental o uso de pincéis previamente higienizados com água e sabão neutro
Foto: Fausto Roim e Danilo Tanaka

O verão e as festas de fim de ano se aproximam, gerando um surpreendente aumento do fluxo de clientes nos salões de beleza. Em tempos como este, é fundamental que fique ainda mais atenta à higiene do estabelecimento, que deve seguir algumas regras que muitas vezes não são respeitadas. “Em qualquer salão de beleza deve existir a preocupação com a saúde do cliente e de seu funcionário, sendo favorável um ambiente claro e/ou bem iluminado, com ventilação adequada, piso de fácil limpeza e uso de luvas descartáveis em todos os procedimentos”, ressalta a Dra. Ana Célia Xavier, dermatologista do Hospital São Camilo (SP). Confira abaixo os principais cuidados que os salões de beleza devem ter não apenas nessa época, mas durante todo o ano:

Cuidados com materiais de aço inoxidável e lixas de unha

Segundo Fernanda Queiroz, proprietária do Studio Lorena (SP), os alicates e demais materiais de aço inoxidável devem ser lavados em água corrente com escova e sabão neutro. Feito isso, devem ser secos e colocados em envelopes próprios para esterilização em autoclave (equipamento que utiliza o calor úmido sob pressão sendo capaz, quando em perfeito funcionamento, de eliminar até os vírus e bactérias mais resistentes). Após o ciclo completo (aquecimento, esterilização e secagem) na autoclave, devem ser guardados em violação dos envelopes por até uma semana. “É fundamental que os funcionários do salão façam o controle periódico da autoclave a fim de garantir que a mesma esteja funcionando de maneira correta. Normalmente este controle é feito com kits chamados de incubadoras, que testam a capacidade da autoclave em eliminar vírus e bactérias. Caso sejam identificadas falhas no processo, o equipamento deve ser enviado para manutenção. A não esterilização destes itens pode colaborar para a transmissão de doenças como hepatite B e C e micoses”, alerta Fernanda.

Quanto às lixas de unha e espátulas, Paula Machado, proprietária do Espaço de Beleza Paula Machado Beauty (RJ), explica que a ANVISA determina que todos os instrumentos de madeira devem ser jogados fora após o uso individual: “Isso porque a madeira é porosa e não é possível ser esterilizada. O ideal é que a cliente tenha seu próprio kit”, orienta.

Fique atenta: “Antes de fazer as unhas, confira sempre se os alicates e espátulas estão em envelopes lacrados e são abertos na sua frente. Na lateral do envelope existe uma faixa rosa que fica cinza quando o alicate já passou pela autoclave”, sugere Fernanda.

Cuidados com a maquiagem

“A maquiadora deve ter especial atenção para o prazo de validade e o local de acondicionamento da maquiagem, que deve ser seco ao abrigo do sol. Com relação à higienização, o foco está nos pincéis. Nunca se devem usar os dedos ou mesmo encostar a maquiagem na cliente (o bastão do batom, por exemplo, nunca deve ser levado à boca), sendo fundamental o uso de pincéis previamente higienizados com água e sabão neutro”, afirma a proprietária do Studio Lorena. Para Paula Machado, uma opção mais segura é que a cliente use sua própria maquiagem: “A maquiagem pode transmitir micoses e também provocar alergias, pois são usadas em diversas pessoas, facilitando a passagem dos micro-organismos de uma pele para a outra”, conta. Para Cris Dios, proprietária do Salão Laces and Hair (SP), outros cuidados importantes são utilizar somente produtos dentro do prazo de validade e com o rótulo de identificação do fabricante (sempre seguindo as instruções deste), realizar teste de contato com os produtos utilizados, mantê-los em suas embalagens originais e perguntar ao cliente sobre a ocorrência de alergias.

Cuidados com pentes e escovas de cabelo

Cris Dios explica que, após cada uso de pentes e escovas de cabelo, o profissional deve remover os pelos e fios presos, lavar com água e sabão (formando uma espuma abundante) e enxaguar bem, deixar por 30 minutos de molho em solução de hipoclorito de sódio a 1%, lavar o recipiente de imersão com água, sabão e hipoclorito de sódio a 1% e, por último, guardar os itens em recipientes limpos. “Se não for limpo, com o tempo essa sujeira vai se acumulando e criando um ambiente propício para a propagação de caspas e doenças no couro cabeludo”, avisa.

Cuidados com a cera de depilação

A cera jamais deve ser reutilizada! “Além da falta de higiene, os fungos estão por toda a parte, por isso é preciso atenção para não criar condições favoráveis ao seu desenvolvimento. Alguns salões usam a cera caseira de depilação feita com açúcar, mel e limão, que são agentes cheios de micro-organismos. A tínea inguinal é uma infecção na virilha e se manifesta por uma imensa coceira e manchas avermelhadas, úmidas ou descamativas, podendo se prolongar até o bumbum. Logo, é indicado se depilar com produtos industrializados e em salões conceituados que não reutilizem a cera de depilação”, acredita Paula Machado. A Dra. Ana Célia Xavier também ressalta a importância da manipulação da cera com espátulas descartáveis e sua temperatura adequada: “O produto não pode estar muito quente para não queimar ou criar manchas na pele”, informa.

Cuidados com as toalhas

As toalhas são de uso individual (troca realizada a cada cliente): “Devem ser lavadas com água e sabão com direito a 30 minutos de molho em solução de hipoclorito de sódio a 1%. Feito isso, deve-se secá-las, passá-las e embalá-las em um saco plástico, guardando-as em local limpo. A má higienização deste item pode causar doenças como impetigo, escabiose e pediculose”, conclui Fernanda Queiroz do Studio Lorena.